LIBERDADE AQUI!

Um Espaço de Liberdade de Expressão

Dilma seguiu em frente, apesar dos corvos do PiG, e não deixou a peteca cair.

Posted by Liberdade Aqui! em 21/02/2012

Do Conversa Afiada

Valor celebra Keynes.
Dilma não deixou peteca cair

O jornal Valor acaba de prestar comovente homenagem ao grande Lord Keynes.

E aos presidentes Nunca Dantes e JK de saias.

Que souberam usar o crédito público – especialmente do BNDES –  para anabolizar o consumo do brasileiro e botar a Petrobras para investir e dar emprego a brasileiros.

Que beleza, que vitalidade !

Tudo em benefício do brasileiro, objetivo último dos dois – e de Keynes.

O amigo navegante perceberá pelo trecho a seguir que o artigo do Valor prega exatamente o oposto.

Está muito preocupado com a dívida.

Talvez preferisse ver a economia  brasileira do tamanho da grega:

Crédito pós-crise foi para consumo

Por Claudia Safatle

Entre dezembro de 2008 – auge da crise financeira internacional – e dezembro de 2011 – auge da crise de dívida soberana nas economias desenvolvidas – o crédito no Brasil cresceu 10,7 pontos percentuais, passando de 38,4% do Produto Interno Bruto (PIB) para 49,1% do PIB. Cerca de 77% dessa expansão foi produto da ação dos bancos públicos.

Do aumento, apenas 3,4 pontos percentuais do PIB foram destinados às empresas e desses, 3,3 pontos do produto foram de responsabilidade do BNDES. Ou seja: sem o BNDES, o crédito bancário para a realização de negócios no país estaria hoje onde estava há pouco mais de três anos. O que cresceu foi o crédito para consumo.

O processo pós-crise de 2008, portanto, representou uma inversão radical em relação ao que vinha ocorrendo três anos antes. De 2005 a 2008 a expansão do crédito no país foi de 12,2 pontos percentuais do PIB, dos quais 7 pontos do produto destinaram-se às empresas e desses, apenas 1,1 ponto percentual foi da alçada do BNDES.

Expansão aumentou a dívida pública

O crescimento da oferta de empréstimos e financiamentos incentivou pouco os investimentos. Em 2011 a formação bruta de capital fixo correspondeu a cerca de 19,5% do PIB, uma performance parecida com a de 2008.

A engenharia montada para transferir recursos públicos ao BNDES e desse para o Banco do Brasil, para a Petrobras e para o setor financeiro e real da economia, gerou uma rede de complexas interconexões, com um resultado líquido e certo: o aumento do endividamento público.

Artigos Relacionados

Folha usa Corinthians
para ofender Lula
O Carnaval que a Globo
não conseguiu sufocar
Lula reduziu desemprego
de jovem à metade. Que horror !
O plano secreto de Lula/Dilma: a Transnordestina
Por que Dilma é (sempre) a bola da vez

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: