LIBERDADE AQUI!

Um Espaço de Liberdade de Expressão

Somos todos iguais

Posted by Liberdade Aqui! em 01/10/2010

Do portal Brasilianas.org

Do Valor

A hora e a vez de Sua Excelência

É um eleitor que consome mais informação e, potencialmente, demanda mais do poder público. Paradoxalmente, o ingresso desses emergentes à informação e ao consumo também aumenta a ansiedade em relação à manutenção dos seus ganhos e os torna suscetíveis à volatilidade eleitoral, como demonstram as planilhas das últimas semanas.

São esses eleitores que carregarão, para uma eleição futura, o que Wanderley Guilherme dos Santos em artigo neste Valor (29/09) definiu como o germe do conservadorismo: dada a percepção de que mobilidade social pode estar se aproximando de seu limite, a preservação das conquistas pode acabar sendo a barganha eleitoral mais atraente.

O eleitor aprendeu a votar por cálculo porque nesse amadurecimento das eleições consecutivas já viu de tudo. Acreditou no voluntarismo de punhos cerrados, na moeda que redimiria o país e naquele que viria de baixo para passar a história a limpo. Deu-se conta de que seu voto construiu aventureiros, prorrogou ilusões e varreu para baixo do tapete verdades inconvenientes. Mas descobriu também que votando ajudou a derrotar a inflação e fomentar políticas públicas pela melhor distribuição de renda.

aNesta campanha, viu o candidato do PSDB elogiar o presidente de dia e malhá-lo à noite; foi testemunha da incapacidade da candidata do PT de dizer como será capaz de atender aos deuses e diabos que infestam seu entorno; e foi incapaz de colher da candidata do PV uma explicação por que, desta vez, o voto num presidente sem partido não redundará em nova tragédia. Foi obrigado até a assistir o candidato do PSOL defender a previdência complementar para o funcionalismo público sem que ninguém lhe lembrasse que foi esta reforma que levou ao êxodo do PT dos seus atuais correligionários.

Mas esta campanha também levou cada um dos principais candidatos a compromissos históricos. Se Dilma Rousseff cumprir o que acenou no programa de combate ao crack exporá o raquitismo dos recursos destinados ao tema pelos oito anos do governo Lula. Se José Serra imprimir à política de reajuste do salário mínimo a velocidade prometida também terá rompido com o viés fiscalista que pautou sua carreira de gestor público e o histórico de seu partido no poder. Se Marina Silva chegar nos 7% do PIB com educação e ainda conseguir restringir o aumento da despesa em relação ao PIB, como promete, nunca na história desse país se terá visto igual façanha.

Mas em matéria de prodígio, não há competidor nesta disputa para a justiça eleitoral. No varejo, é orgulho nacional. Coloca na rua uma das maiores estruturas eleitorais do mundo sem que os resultados sejam passíveis de contestação. No atacado, a toga deixou para definir as vésperas da votação com quantos documentos se faz um eleitor, quais candidatos, se eleitos, poderão tomar posse e por que um candidato pode apelar à censura num Estado (Paraná) e não pode noutro (Tocantins). A partida só caiu no colo do juiz porque assim quiseram os partidos e seus representantes no Congresso. Só o voto deste domingo pode colocar novamente a bola em campo.

Planilhas, quando torturadas, dizem quase tudo. Às vésperas de uma eleição presidencial tão radicalizada, o risco que essa tortura produza desinformação é grande. Em comum, a última leva de pesquisas mostra ascendência de Marina Silva (PV), ainda que nenhuma delas ateste potencial para transformá-la em segunda colocada em curto espaço de tempo. As pesquisas também convergem para a inércia de José Serra. A discrepância se dá em relação ao desempenho de Dilma Rousseff (PT). O Datafolha de ontem convergiu para a tendência de estabilidade apontada por Vox Populi e CNI/Ibope, e em todos os institutos há tendência de estreitamento da folga para uma disputa definida em primeiro turno, mas a margem varia de quatro a 11 pontos.

É esperado que o líder nas pesquisas se desidrate na reta final. Se lidera é porque tem a preferência das camadas de baixa renda, mais numerosa do eleitorado. E é nessa faixa que está o eleitor mais suscetível à abstenção, tanto pela locomoção, agravadas em condições climáticas desfavoráveis, quanto pelas agruras da documentação. É nesse eleitorado também que se concentra o risco de voto nulo pelo desconhecimento do número dos candidatos e pelo manuseio da urna eletrônica. E, finalmente, é esse o eleitor alvo das investidas da indústria de boatos de cunho moral e religioso da saideira da campanha. Depois dos eventos derradeiros – o programa do horário gratuito e o debate da noite de ontem – o barulho ficará por conta da internet e dos exércitos de cabos eleitorais com e sem bíblia. Ainda bem que não dá para prever resultado.

Maria Cristina Fernandes é editora de Política. Escreve às sextas-feiras

E-mail mcristina.fernandes@valor.com.br

Maria Cristina Fernandes |
01/10/2010

Oito em cada dez eleitores que vão às urnas neste domingo nunca foram privados de seu direito de escolher, pelo voto, todos os dirigentes do país. E já votaram para presidente da República mais vezes do que os brasileiros de qualquer outra época da história. A maioria vai acordar no domingo, pegar a cola de candidatos e seus documentos – todos que encontrar pela frente, já que essa gente não se entende -, antes de se dirigir, pela sexta vez consecutiva, ao mesmo local de votação desde que se cadastrou como eleitor.

A rotina parece banal, mas não há feito maior, quando se trata de mediar conflitos pelo voto, do que uma eleição depois da outra. Esse eleitor que começou a votar em 1989 pode não mais se demorar na escolha da cor da roupa, nem fazer o V de vitória para as charangas dos simpatizantes que avistar pelo caminho. Talvez tenha atravessado toda a campanha sem levantar uma única vez a voz em discussão sobre os melhores e maiores de 3 de outubro. Melhor assim. A paixão talvez nem combine mesmo com esse enredo.

De cada dez brasileiros, sete votam. É a maior proporção de eleitores de uma história que, há apenas uma geração, excluía a leva de analfabetos. A maioria deste colégio eleitoral expandiu seus ganhos em ritmo chinês nos últimos anos, mas teve um salto de escolaridade superior ao de renda. Quatro, em cada dez eleitores que vão às urnas neste domingo têm mais de oito anos de bancos escolares.

É um eleitor que consome mais informação e, potencialmente, demanda mais do poder público. Paradoxalmente, o ingresso desses emergentes à informação e ao consumo também aumenta a ansiedade em relação à manutenção dos seus ganhos e os torna suscetíveis à volatilidade eleitoral, como demonstram as planilhas das últimas semanas.

São esses eleitores que carregarão, para uma eleição futura, o que Wanderley Guilherme dos Santos em artigo neste Valor (29/09) definiu como o germe do conservadorismo: dada a percepção de que mobilidade social pode estar se aproximando de seu limite, a preservação das conquistas pode acabar sendo a barganha eleitoral mais atraente.

O eleitor aprendeu a votar por cálculo porque nesse amadurecimento das eleições consecutivas já viu de tudo. Acreditou no voluntarismo de punhos cerrados, na moeda que redimiria o país e naquele que viria de baixo para passar a história a limpo. Deu-se conta de que seu voto construiu aventureiros, prorrogou ilusões e varreu para baixo do tapete verdades inconvenientes. Mas descobriu também que votando ajudou a derrotar a inflação e fomentar políticas públicas pela melhor distribuição de renda.

Nesta campanha, viu o candidato do PSDB elogiar o presidente de dia e malhá-lo à noite; foi testemunha da incapacidade da candidata do PT de dizer como será capaz de atender aos deuses e diabos que infestam seu entorno; e foi incapaz de colher da candidata do PV uma explicação por que, desta vez, o voto num presidente sem partido não redundará em nova tragédia. Foi obrigado até a assistir o candidato do PSOL defender a previdência complementar para o funcionalismo público sem que ninguém lhe lembrasse que foi esta reforma que levou ao êxodo do PT dos seus atuais correligionários.

Mas esta campanha também levou cada um dos principais candidatos a compromissos históricos. Se Dilma Rousseff cumprir o que acenou no programa de combate ao crack exporá o raquitismo dos recursos destinados ao tema pelos oito anos do governo Lula. Se José Serra imprimir à política de reajuste do salário mínimo a velocidade prometida também terá rompido com o viés fiscalista que pautou sua carreira de gestor público e o histórico de seu partido no poder. Se Marina Silva chegar nos 7% do PIB com educação e ainda conseguir restringir o aumento da despesa em relação ao PIB, como promete, nunca na história desse país se terá visto igual façanha.

Mas em matéria de prodígio, não há competidor nesta disputa para a justiça eleitoral. No varejo, é orgulho nacional. Coloca na rua uma das maiores estruturas eleitorais do mundo sem que os resultados sejam passíveis de contestação. No atacado, a toga deixou para definir as vésperas da votação com quantos documentos se faz um eleitor, quais candidatos, se eleitos, poderão tomar posse e por que um candidato pode apelar à censura num Estado (Paraná) e não pode noutro (Tocantins). A partida só caiu no colo do juiz porque assim quiseram os partidos e seus representantes no Congresso. Só o voto deste domingo pode colocar novamente a bola em campo.

Planilhas, quando torturadas, dizem quase tudo. Às vésperas de uma eleição presidencial tão radicalizada, o risco que essa tortura produza desinformação é grande. Em comum, a última leva de pesquisas mostra ascendência de Marina Silva (PV), ainda que nenhuma delas ateste potencial para transformá-la em segunda colocada em curto espaço de tempo. As pesquisas também convergem para a inércia de José Serra. A discrepância se dá em relação ao desempenho de Dilma Rousseff (PT). O Datafolha de ontem convergiu para a tendência de estabilidade apontada por Vox Populi e CNI/Ibope, e em todos os institutos há tendência de estreitamento da folga para uma disputa definida em primeiro turno, mas a margem varia de quatro a 11 pontos.

É esperado que o líder nas pesquisas se desidrate na reta final. Se lidera é porque tem a preferência das camadas de baixa renda, mais numerosa do eleitorado. E é nessa faixa que está o eleitor mais suscetível à abstenção, tanto pela locomoção, agravadas em condições climáticas desfavoráveis, quanto pelas agruras da documentação. É nesse eleitorado também que se concentra o risco de voto nulo pelo desconhecimento do número dos candidatos e pelo manuseio da urna eletrônica. E, finalmente, é esse o eleitor alvo das investidas da indústria de boatos de cunho moral e religioso da saideira da campanha. Depois dos eventos derradeiros – o programa do horário gratuito e o debate da noite de ontem – o barulho ficará por conta da internet e dos exércitos de cabos eleitorais com e sem bíblia. Ainda bem que não dá para prever resultado.

Maria Cristina Fernandes é editora de Política. Escreve às sextas-feiras

E-mail mcristina.fernandes@valor.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: